+55 11 3065 8207 . +55 11 5594 8207

Notícias

Falta legitimidade à reforma política – DCI



*Publicado no DCI

Os congressistas eleitos em 2018 teriam mais autoridade para implementar um modelo melhor de relação entre políticos, empresários e Estado

Só em 2019 o Brasil terá a oportunidade de fazer uma reforma política ampla, uma vez que o Congresso atual não tem legitimidade para implementá-la. O que estamos vendo hoje é um arremedo de reforma, que não resolve nossos problemas de fundo, afirma o advogado Walfrido Warde Junior, especialista em Direito Societário e presidente do Instituto Brasileiro para a Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IREE). Para ele, antes de mais nada, é necessário regulamentar o lobby pré e pós-eleitoral. Sem isso, caberá ao Ministério Público e à Justiça decidir o que é e o que não é crime nas relações entre as empresas e os entes políticos.

‘Baratas farão a farra’

O instrumento do lobby estabeleceria relações melhores entre políticos e empresários. Walfrido Warde Junior adverte que a caracterização casuística e subjetiva dos ilícitos leva à paralisia dos honestos. “Os sérios não querem arriscar um segundo de cadeia. E, portanto, ficarão longe de qualquer relação econômica com o Estado. Com os honestos de fora, com medo de tudo – porque sem definição exata tudo pode ser crime -, as baratas farão a farra. Isso significa um convite para que malfeitores participem de licitações de contratos administrativos e concessões públicas”.

Campanhas pela internet

O especialista em Direito Societário e presidente do IREE considera insuficiente a proibição de financiamento de campanhas eleitorais por empresas, advinda do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal da Ação Direta de Inconstitucionalidade 4.650. “Falta regular o financiamento público de campanhas e a participação das pessoas físicas na arrecadação desse dinheiro. O Estado deve financiar as campanhas, mas elas têm de ser barateadas drasticamente.” Por exemplo, utilizando-se prioritariamente a internet e estimulando a inclusão digital do eleitorado.

Barrar os nanicos

Por outro lado,  Warde Junior acredita que dentro dos partidos, os recursos públicos devem ser alocados em maior proporção para os candidatos mais aptos, que têm mais chances de vencer o pleito, a critério da agremiação. Com relação ao elevado número de partidos políticos, alguns inexpressivos e que só se prestam a negócios espúrios, Warde considera imprescindível a criação de cláusulas de barreiras. “Não se trata de simplesmente extinguir os chamados partidos nanicos, o que seria antidemocrático, mas de só permitir que disputem eleições as siglas mais representativas.”

Musical sobre Ayrton Senna

A história  do piloto brasileiro de Fórmula 1 três vezes campeão mundial,  Ayrton Senna (1960 – 1994), será contada em musical com estreia marcada para 12 de novembro, mesma data da Fórmula 1 no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. O musical está sendo produzido pela Aventura Entretenimento, do Rio de Janeiro, que montou sucessos como Elis, A Musical; Chacrinha; Um Violinista no Telhado; Hair; A Noviça Rebelde, entre outros. O ator que vai encarnar Ayrton Senna no palco foi escolhido semana passada em audição, mas o nome ainda não foi divulgado.

Presentear com experiência 

Como recompensar uma equipe que atinge metas é um impasse para os gestores nas empresas. Oferecer dinheiro como prêmio de superação de resultados ou proporcionar uma experiência? Para Andre Susskind, CEO da Viva! Experiências, “dinheiro nesses momentos é impessoal; o reconhecimento precisa ser importante, com uma experiência proporcional ao empenho e dedicação do colaborador. A bonificação como dinheiro para reconhecimento é algo padrão nas empresas, equivale a um “tapinha nas costas”. Já a experiência mostra que o empregador procurou algo valioso e único para presentear o colaborador”. Pensando nisso, os gêmeos Andre e Daniel Susskind fundaram em 2009, uma empresa responsável por promover experiências. Só no primeiro semestre deste ano, a empresa cresceu 20% em relação ao mesmo período de 2016, e espera fechar o ano com um faturamento de R$ 12 milhões.


COMPARTILHE:

©2017 - Warde Advogados - Direitos Reservados

Warde em apoio a Fundação e obra de Athos Bulcão